Mundo Do Hoquei - Portal informativo de Hoquei em Patins

Valongo e Candelária sonham com a primeira final

Valongo e Candelária sonham com a primeira final
Valongo e Candelária inauguram este sábado, pelas 15.30 horas, a Final-Four da Taça de Portugal de Hóquei em Patins masculino, no Pavilhão Multi...

(texto: FPP.pt)
(foto: AD Valongo)


Valongo e Candelária inauguram este sábado, pelas 15.30 horas, a Final-Four da Taça de Portugal de Hóquei em Patins masculino, no Pavilhão Multidesportos Dr. Mário Mexia, Coimbra, com transmissão em directo na Sport TV.

Frente a frente vão estar duas equipas que sonham com a conquista da primeira Taça de Portugal. Aliás, nenhum destes conjuntos atingiu sequer a final da segunda prova mais importante do calendário nacional.

Paulo Pereira é o treinador do Valongo, o que também acontecerá na próxima temporada, e ameaça tornar-se num especialista nesta competição, uma vez que, nos últimos cinco anos, esta é a segunda presença entre os quatro melhores: «Conseguimos chegar, novamente, à Final-Four, praticamente com a mesma equipa. Vamos encontrar um adversário muito difícil, defrontámo-lo por duas vezes no campeonato, mas, com o apoio das pessoas que nos vão acompanhar, sonhamos com a vitória na Taça de Portugal», afirma o técnico, em declarações ao «site» da Federação de Patinagem de Portugal.

O técnico enaltece as qualidades de Hugo Azevedo e Fábio Vieira, embora garanta que a força do Valongo é o colectivo: «Temos o Hugo Azevedo no ataque, mas tudo começa atrás, num guarda-redes fabuloso, que é o Fábio Vieira. No entanto, o Valongo vale pelo colectivo, é a nossa principal arma».

Paulo Pereira recorda a final de 1996/97, uma vez que festejou a vitória, como jogador, em representação da Oliveirense: «Ganhámos nas grandes penalidades, depois de termos a estado a perder por 3-0, num ano em que conquistámos, também, a Taça CERS. Empatámos, concretizei um golo e foi uma vitória marcante, porque cresci como hoquista na Oliveirense».

Como adversário, no duelo travado no banco dos suplentes, Paulo Pereira terá Carlos Dantas, um autêntico herói da Taça de Portugal, com seis troféus, como treinador, em nove finais. O currículo é de luxo, a ambição permanece intacta, embora não considere o Valongo como um adversário fácil: «Ganhámos os dois jogos do Campeonato. O Valongo é uma equipa aguerrida, que ficou no meio da tabela, e, teoricamente, damo-nos melhor quando jogamos com equipas mais fortes. Contudo, queremos chegar à final e, depois, pensaremos na vitória», refere Carlos Dantas, ainda sem saber se vai continuar a orientar o Candelária.

O líder da equipa técnica dos açorianos recorda as finais de 1994/95 e de2001/02, como treinador do Benfica, frente ao Óquei de Barcelos, nas duas vezes: «No primeiro caso, estávamos a perder por 4-1 ao intervalo e vencemos por 6-5. O segundo jogo ficou marcado na memória, porque não é fácil golear numa final».


A época em balanço  
A época ainda não acabou, mas o balanço do trabalho produzido em 2010/11 foi um tema inevitável na conversa com os dois treinadores: «O quarto lugar na I Divisão é bom, mas o Candelária podia ter ficado mais perto da terceira posição. Na primeira volta, estivemos melhor e, na segunda parte do campeonato, o rendimento não foi igual, devido à presença na Liga Europeia, onde vencemos o Grupo C e fomos a equipa que melhor hóquei praticou. O Candelária pode ter a legitimidade de alcançar, na próxima temporada, o terceiro lugar no Campeonato Nacional».

Paulo Pereira pretende, pelo menos, igualar o sétimo posto na I Divisão: «Queremos sempre melhorar. Se repetirmos a sétima posição, será bom, embora possamos pensar no quinto lugar. Aliás, este ano não estivemos longe deste objectivo. Pretendemos, acima de tudo, uma época tranquila»

Comentários

Notícias lidas no momento

A carregar...