Mundo Do Hoquei - Portal informativo de Hoquei em Patins

Hóquei em Patins: pré-competição

Benjamins e escolares: quantos jogadores se utilizam?

Benjamins e escolares: quantos jogadores se utilizam?
De Rui Sousa, treinador dos benjamins da Associação Para o Desenvolvimento de Galegos / Penafiel, recebemos o pedido de publicação de um esclareci...

(foto: APDG / arquivo)

De Rui Sousa, treinador dos benjamins da Associação Para o Desenvolvimento de Galegos / Penafiel, recebemos o pedido de publicação de um esclarecimento publicado e divulgado pela Associação de Patinagem do Porto, mas que muitos treinadores e / ou responsáveis pelos clubes continuam a ignorar.

Por isso, aqui fica, para consulta, o documento em PDF.

Faça Download aqui…

Comentários

  • sergio_duque: É curioso, na APP obrigam as equipas a cumprir as regras, na APL quem não as cumprir tem perda de pontos. Ex: Uma equipa com 8 atletas em que 1 dos atletas joga os 4 períodos penaliza 2 pontos.

  • tigerlima: Se com a obrigatoriadade alguns clubes acabavam por não inscrever as equipas por não apresentar atletas suficientes com a perca de pontos por uso excessivo de um ou mais jogadores os clubes acabam por inscrever as equipas embora condicionados mas acabando por comprir o que se pretende que é proporcionar aos miudos a possiblidade de jogar e incentivar á formação de mais jogadores.

  • Vasco Reis: Caros colegas Relativamente a esta questão, não entendo qual é a dúvida, já que está devidamente regulamentada pelo artº 55 do Regulamento geral do HP da FPP. Diz o ponto 3.4.3 que "nenhuma equipa pode participar num jogo com menos de 8 atletas, sendo que dois deles são, obrigatóriamente guarda-redes. Diz ainda o nº 2 do referido artigo que "As Associações de Patinagem devem promover ao longo da época, provas ou jogos dos atletas destas categorias, sendo os jogos efectuados SEM PONTUAÇÃO e SEM QUE SEJA ELABORADO QUALQUER TIPO DE CLASSIFICAÇÃO." Desta forma, a APL está a ir contra o disposto no referido regulamento. Concordo que é preferivel jogar a ficar parado, mas no casos dos clubes que não conseguem o número de atletas suficientes para cumprir com as regras, devem promover jogos particulares, de forma a não ficarem parados, mas também a não terem hipotética vantagem sobre os clubes cumpridores. (Vasco Reis - AAE)

Notícias lidas no momento

A carregar...