Mundo Do Hoquei - Portal informativo de Hoquei em Patins

Vitória polémica de um Porto eficaz

Trabalho dos árbitros não foi fácil…

Trabalho dos árbitros não foi fácil…
Apesar da polémica arbitragem, a vitória portista foi conseguida graças à eficácia na cobrança das bolas paradas, algo que o Benfica não conseguiu…

Luís Peixoto e Joaquim Pinto
(foto: Barros Simões / arquivo)

Muitos livres directos, muitos cartões azuis e muita polémica.
Mas apesar de tudo, um bom jogo de hóquei em patins. Como é possível? Graças às “novas” regras da modalidade, que castigam não só as faltas mais duras, mas também os comportamentos dos atletas.

A confusão em torno da arbitragem marcou o encontro. Mas também a eficácia portista, com cinco golos num total de sete a serem conseguidos na transformação de livres directos.
Para o Benfica “sobrou” a falta de sorte (quatro bolas nos ferros!) e de eficácia: um golo marcado e cinco falhados, na consequência de livres directos.

Joaquim Pinto e Luís Peixoto tentaram tomar as melhores decisões e marcaram vários livres directos, que se viriam a revelar cruciais no desfecho da partida. A arbitragem este à altura dos acontecimentos, mas não nos podemos esquecer da falta de punição com cartão azul a Edo Bosch no lance do penalty sobre Cacau: foi apenas advertido, vendo um azul quando voltou a cometer o mesmo tipo de falta, sobre Luís Viana, já no fim da primeira parte.
Ao longo da partida, houve alguma diferença de critério quanto aos protestos dos portistas e dos encarnados, com prejuízo para a equipa da casa. Esta diferença foi, no entanto, compensada com a amostragem de vários cartões azuis aos portistas…
A diferença do número de faltas de equipa explica-se pelo facto de, ao mínimo contacto, os jogadores portistas se atirarem para o chão, deixando para o árbitro a responsabilidade de assinalar, ou não, a falta…

O “caso do jogo” surgiu a meio da segunda parte, com a partida a ser interrompida durante muitos minutos, para se debater uma situação de jogo que estava pouco clara, relativa ao cumprimento da suspensão de jogadores.

No final do encontro, o vice-presidente para as modalidades do Benfica, João Coutinho, anunciou, em declarações à BenficaTV, que o jogo estava sob protesto dos encarnados…

Em resumo, o trabalho dos árbitros não foi fácil. Joaquim Pinto e Luís Peixoto fizeram o melhor que puderam, num encontro polémico e difícil de apitar.

Comentários

  • ricardo9: Qual "caso do jogo"?? Nem era preciso olhar para o relógio para ver que os dois minutos de suspensão não tinham sido cumpridos... O vice-presidente que se preocupe é com a imcompetência que reina naquele banco...

  • fabian19: Só uma questão: "i(M)competência"????!!!???? Mas alguém tem dúvidas sobre o excelente trabalho que o prof Luis Sénica está a fazer no Benfica?? Ah ok, foi so impressão minha... Quanto à polémica. Cá para mim nesse capítulo os árbitros estiveram bem, contudo houve alguns lances que os jogadores do Porto fizeram um teatrinho e ganharam faltas com isso, típico das novas regras!

  • uguinho: É vergonhoso pela Federação nomear um arbitro (Joaquim Pinto) para um clássico, já basta quando é nomeado para jogos do Porto com outros clubes. Esse Sr. esta sempre presente em todos os jogos no Dragão Caixa e só não empurra mais o Porto porque não pode. Depois vêem falar em casos polémicos.....

  • pirolito: Estes árbitros tiveram uma dualidade de critérios inacreditável. Nunca vi o Benfica ser tão prejudicado num jogo. Creio que se marcasse mais 5 golos iriam surgir mais alguns cartões para jogadores do Benfica e mais algumas faltas fantasma. Foi vergonhoso para a modalidade, desta forma estão a matar o hóquei; ao ver o que vi por mim o Benfica acabava com ele. Quanto aos tempos de suspensão, a primeira do FCP também me deixou dúvidas quanto ao tempo decorrido.

  • noodoas: Uma vez que se trata de uma crónica de opinião e não de factos concretos.. também deixo a minha visão: - O Porto marcou 1 golo de penalty e 4 de livre directo e não 5 de livre directo. É um facto e devemos escrever com o máximo rigor possível. - Respondendo ao comentário de cima. A primeira exclusão do jogo para o FC Porto foi para o guarda-redes Edo Bosch que cumpriu inclusive mais que os 2 minutos regulamentares dado que apenas reentrou na partida após o intervalo. Todos os outros factos referentes a cartões por mostrar ou número de faltas cometidas são pura visão pessoal do jogo que não se devia manifestar num sitio destes que já por várias vezes mostrou que quer ser um espaço isento e pouco dado a pressões externas. Tenho dito.

  • bekas: De facto não lembra a ninguém nomear o Joaquim Pinto para apitar este jogo.... era muito mais interessante se o nomeado tivesse sido o Romão ! não era sr ( !! ) sénica ? esse sim é um árbitro amigo !

  • Nelson Alves: Caro noodoas, tem razão nos dois aspectos que referiu (1 golo de penalty e 4 de livre directo), e de facto não há duvidas que o Edo Bosch esteve mais do que 3 minutos "suspenso", logo não há dúvidas... pelo menos de minha parte ;) E sim, "cartões por mostrar ou número de faltas cometidas são pura visão pessoal do jogo", e escrevi com base no que vi através da BenficaTV, mas com o som desligado ;) Abraço, noodoas ;)

Notícias lidas no momento

A carregar...